INICIO > AVES DE RAPINA > CLASSIFICAÇÃO
 
Classificação e grupos
Ordem Strigiformes

Classificação das aves de rapina do Brasil


Texto de:
Willian Menq
Publicado em Setembro de 2012


Filogenia das aves ilustrando as relações de parentesco das ordens das aves de rapina.
(Clique para ampliar)

Apesar das várias características compartilhadas, as aves de rapina não formam um táxon monofilético, pois agrupa aves pertencentes a linhagens evolutivas distintas. Considerando a definição das aves de rapina, pertencem ao grupo as seguintes Ordens: Accipitriformes (Famílias Accipitridae, Pandionidae e Saggittaridae), Falconiformes (Família Falconidae), Catharfitormes (Família Cathartidae) e Strigiformes (Famílias Tytonidae e Strigidae).

• Urubus são aves de rapina?
Os urubus são muitas vezes inseridos entre as aves de rapina. Porém, eles não apresentam todas as características do grupo. E, apesar das semelhanças com os abutres do Velho Mundo (familia Accipitridae), não são aparentados a eles, se assemelham devido a uma evolução convergente. Alguns estudos apontam que eles são mais próximos das cegonhas (Ordem Ciconiformes) do que dos gaviões, enquanto outros estudos dizem o contrário. Segundo Hackkett et. al (2008) os urubus são geneticamente próximos dos gaviões (Ordem Accipitriformes). Dessa forma, não existe um consenso sobre a categorização dos urubus, alguns autores não os consideram como rapinantes, enquanto outros sim (e.g. Ferguson-Lees & Christie 2001; Frost 2011).

Apesar disso, dada as semelhanças morfológicas e ecológicas com os abutres, a sua importância como necrófagos, sua excelente visão e capacidade de voo, além de algumas evidências genéticas que os aproximam da ordem Accipitriformes, considero os urubus como um grupo de ave de rapina necrófagas, uma família mais antiga que passou a se alimentar de carniça a milhares de anos atrás.

Além disso, considerar os urubus como aves de rapina, possibilita que os mesmos sejam inclusos nos levantamentos e estudos específicos com os rapinantes, contribuindo com o conhecimento biológico e conservação desses rapinantes necrófagos.

• Qual a diferença entre águias, gaviões e falcões?
Águia, falcão e gavião, são designações populares e têm pouca fundamentação científica. De maneira geral, os falcões são aves de rapina pequenas, bico curto, com silhueta adaptada a voos rápidos, movimentos ágeis e captura de presas principalmente no ar. Águias são aves de rapina grandes, de boa envergadura, imponentes, planadoras e especialistas na captura de vertebrados terrestres ou aquáticos (como é o caso das águias pescadoras). E os gaviões são semelhantes as águias mas não tem a mesma imponência, são menores. Mais sobre o assunto CLIQUE AQUI.

 

• Referências:

Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (2014) Listas das aves do Brasil. 11ª Edição, 1/1/2014, Disponível em <http://www.cbro.org.br>. Acesso em: Julho de 2014.

Del Hoyo, J.; Elliot, A. & Sargatal J. (1994) Hand-book of the birds of the world. v. 2. Barcelona: 
Lynx Edicions.

Ferguson-Lees, J. & D. A. Christie (2001) Raptors of the World. New York: Houghton Miffing Company.

Frost, P. D. (2011) Birds: Capturing the Wild Spirit of These Birds of Prey. Parragon Books.

Hackett, S.J.; Kimball, R.T.; Reddy, S.; Bowie, R.C.K.; Braun, E.L.; Braun, M.J.; Chojnowski, J.L.; Cox, W.A.; Han, K-L.; Harshman, J.; Huddleston, C.J.; Marks, B.D.; Miglia, K.J.; Moore, W.S.; Sheldon, F.H.; Steadman, D.W.; Witt, C.C.; Yuri, T.. (2008). "A phylogenomic study of birds reveals their evolutionary history". Science 320: 1763-1768.

Márquez, C., Gast, F., Vanegas, V. & M. Bechard (2005) Aves Rapaces Diurnas de Colombia. Bogotá: Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt. 394 p.

Remsen, J. V., Jr., C. D. Cadena, A. Jaramillo, M. Nores, J. F. Pacheco, J. Pérez-Emán, M. B. Robbins, F. G. Stiles, D. F. Stotz, and K. J. Zimmer (2011) Version [fevereiro/11]. A classification of the bird species of South America. American Ornithologists' Union. http://www.museum.lsu.edu/~Remsen/SACCBaseline.html

Sick, H. (1997) Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.